O poder do Sangue de Cristo

Queres compreender mais profundamente o poder deste sangue? Repara de onde começou a correr e de que fonte brotou. Começou a brotar da própria cruz, e a sua origem foi o lado do Senhor. Estando Jesus já morto e ainda pregado na cruz, diz o evangelista, um soldado aproximou-se, feriu-lhe o lado com uma lança, e imediatamente saiu água e sangue: a água, como símbolo do Batismo; o sangue, como símbolo da Eucaristia. O soldado, traspassando-lhe o lado, abriu uma brecha na parede do templo santo, e eu, encontrando um enorme tesouro, alegro-me por ter achado riquezas extraordinárias. Assim aconteceu com este cordeiro. Os judeus mataram um cordeiro e eu recebi o fruto do sacrifício. São João Crisóstomo.

O Preciosíssimo Sangue de Cristo opera em todos os Sacramentos: Batismo, Eucaristia, Crisma, Confissão e Unção dos Enfermos, conforme o Magistério da Igreja nas palavras de São João XXIII: “da ampla ferida do lado de Cristo, o Sangue divino corre em todos os sacramentos da Igreja” (Inde a Primis 10).

No sacramento do Batismo:

Batismo é uma palavra de origem grega que significa lavar. Ao receber este sacramento somos misteriosamente lavados no Sangue do nosso redentor Jesus Cristo.

“Àquele que nos ama, e que nos lavou de nossos pecados com o seu sangue, e fez de nós uma Realeza e Sacerdotes para Deus, seu Pai, a ele pertencem à glória e o domínio pelos séculos dos séculos. Amém.” (Ap 1,5s).

Da mesma forma, o sangue de Cristo opera através do sacramento do crisma ou confirmação, pois completa e confirma a graça batismal.

No Sacramento da Reconciliação:

O sangue de Cristo está à nossa disposição também no Sacramento da Confissão. Pelo Ministério da Igreja, Jesus Cristo perdoa-nos os pecados e lava a nossa alma com o Seu Precioso Sangue.

Conforme dizem as Escrituras:“o sangue de Jesus nos purifica de todo pecado” (Jo 1,7).

Ao sacramento da reconciliação está unido o sacramento da unção dos enfermos, pois através do mesmo o enfermo ou idoso recebe o perdão dos pecados, a remissão parcial ou total das penas temporais e a cura física, “quando for útil para a salvação”.

Na Sagrada Eucaristia:

Em cada Santa Missa, a Igreja renova, atualiza e eterniza este Sacrifício de Cristo, pela Redenção da humanidade. Em média, a cada quatro segundos, em todo o mundo, essa Oferta Divina sobe ao Céu. Neste mistério de amor, em toda Santa Missa somos lavados no sangue do Cordeiro que foi derramado no Calvário.

Na Eucaristia somos lavados no Sangue do Cordeiro. Não importa se não sentimos ou não vemos humanamente. É uma atitude de fé. Eis o mistério da fé.

Assim reza a Igreja de Cristo: “Cordeiro de Deus que tirais o pecado do mundo tem piedade de nós…”

Através do Martírio:

Os Mártires derramaram o seu sangue por Cristo, pela força do Sangue de Cristo:
“Mas estes venceram por causa do Sangue do Cordeiro e do Seu eloquente Testemunho. Desprezaram a vida, ao ponto de aceitarem a morte” (Ap 12, 11). O Apocalipse mostra-nos ainda que os Santos lavaram as suas vestes (as suas almas) no Sangue de Cristo:

“Esses são os sobreviventes da grande tribulação, pois lavaram as suas vestes e purificaram-nas no Sangue do Cordeiro” (Ap 7, 14).

Através das Indulgências oferecidas pela Igreja:

A doutrina e a prática das indulgências na Igreja estão estreitamente ligadas aos efeitos do Sacramento da Penitência.
“Indulgência é a remissão, diante de Deus, da pena temporal devida aos pecados já perdoados quanto à culpa, que o fiel, devidamente disposto e em certas e determinadas condições, alcança por meio da Igreja, a qual, como dispensadora da redenção, distribui e aplica, com autoridade, o tesouro das satisfações de Cristo e dos Santos” (Paulo VI, Const. Apost., Indulgentiarum doctrina) (CIC 1471).

“A indulgência é parcial ou plenária, conforme libera parcial ou totalmente da pena devida pelos pecados (Indulgentiarum Doctrina, 2 ). Todos os fiéis podem adquirir indulgências (…) para si mesmos ou para aplicá-las aos defuntos” (CDC, cân 994).

Condições para receber uma Indulgência Plenária (uma vez ao dia):

– Confessar-se e rejeitar todo pecado (uma Confissão para várias Indulgências)

– Participar da Missa e Comungar com o desejo de receber a Indulgência (uma Missa e Comunhão para cada indulgência).

– Rezar pelo Papa ao menos: um Pai Nosso, Ave Maria e Glória.

– Escolher uma das atividades:

Via Sacra na igreja diante dos quadros, ou Reza do Terço em família diante de um oratório, ou Adoração do Santíssimo diante do Sacrário, por meia hora, ou Leitura meditada da Sagrada Escritura por meia hora.