A Pessoa do Formador Pessoal

A escolha de um formador pessoal é uma escolha de Deus, pois, a capacidade para formar é um carisma do Espírito Santo. Um consagrado se torna formador da mesma forma que pode tornar-se pregador da Palavra, ou intercessor, ou qualquer outro ministério. A formação pessoal é um dom, uma graça e acima de tudo um serviço prestado a Deus através do Carisma.

Ser formador pessoal não é uma glória, para aqueles que se dedicam por amor, torna-se um árdua trabalho que exige uma vida de intensa oração e intercessão por aqueles que por ele são conduzidos. Deus coloca seus filhos para serem moldados através das mãos humanas dos formadores. Além disso o autêntico formador pessoal deve estar em constante e fecundo processo de formação pessoal.

Normalmente quem descobre quem pode ser um formador pessoal é o fundador, pois o fundador tem o discernimento para orientar todos os elos do Carisma. Além disso o próprio experimento e os frutos do ministério vão apontando quem é que tem este dom, assim como acontece com todos os outros dons do Espírito Santo que o Senhor distribui como lhe aprás.

Na formação pessoal vai acontecendo a partilha. Através do diálogo o vocacionado expõe sua vivência comunitária, sua história pessoal e as moções, movimentos de Deus em sua alma. Vejamos estes três itens:

A Vivência Comunitária: Neste item o formador escuta o vocacionado e procura ajudá-lo a entender o ‘para que ele veio’, ou seja, a identidade do carisma, o por quê viver as regras, por quê obedecer, além disso, ajuda-o a dar respostas positivas, exorta, trabalha e evangeliza as reações, incentiva e acompanha-o com a oração.

A história pessoal: É muito importante que o vocacionado saiba falar de si, de sua história, de sua família, de seu passado, através destes relatos o formador pode conhecer seu formando e ajudá-lo a superar traumas, perturbações emocionais, doenças e vícios hereditários e  culpas inconscientes. O formador escuta, intercede, ora, e intervém nesta área, também com a Palavra de Deus que cura e consola.

As moções de Deus: Trata-se daquilo que Deus está colocando no coração do vocacionado, quem forma verdadeiramente é o Espírito Santo, portanto as orações, a escuta, os desejos do vocacionado também devem ser levados em conta pelo formador pessoal. O formador escuta o seu formando com um dos ouvidos, e com o outro escuta a voz de Deus que através do formador fala para aquela pessoa. Um formador autêntico jamais coloca-se acima de Deus, muitas vezes precisará esperar, orar até aparecer com clareza os desígnios de Deus para aquele que é acompanhado.