A “pequena via” de Santa Teresinha do Menino Jesus

Santa Teresinha do Menino Jesus, oferecia todos os gestos e sacrifícios, do menor ao maior. “Não quero ser santa pela metade, escolho tudo”. Santa Teresinha nasceu em Alençon (França) em 1873 e morreu no ano de 1897. Teresinha meditava a vida dos santos e ficava encantada com seus gestos de heroísmo, suas duríssimas penitências. Comparando-se a eles, verdadeiros gigantes espirituais, ela se sentia um grão de areia. Mas nem por isso desistiu de buscar a santidade. Apesar de sua pequenez, conseguiu descobrir uma “pequena via”, um caminho bem direto, bem curto, um pequeno caminho todo novo em sua busca de perfeição.

Incapaz de subir por própria conta os patamares da Montanha do Amor e de escalar a rude escada da santidade, pediu a Jesus que a levasse nos braços ao cume da perfeição. Jesus seria o seu elevador e ela, docilmente, se lançaria nele numa vida de entrega e submissão. Estava começando a trilhar a Pequena Via e podia profetizar: … Como haverá pessoas admiradas ao ver o caminho pelo qual eu fui conduzida!

Você quer tentar seguir a Pequena Via? Os pontos principais da espiritualidade da Pequena Via são os seguintes:
1. Desça imediatamente de seu pedestal! Reconheça a sua pequenez. Aceite suas próprias limitações. Aceite-se como você é. Lembre-se de que você foi feito de barro. Veja o exemplo de Teresinha: … Sei sempre encontrar o meio de ser feliz e de aproveitar de minhas misérias… Lembre-se de que Deus o fez assim, fraco e pecador. Diante d’Ele somos um nada. Dispa-se de toda vaidade e orgulho. Saiba exatamente quantos passos suas pernas podem dar. Desça do pedestal de sua arrogância. Seja humilde. Você é incapaz de atingir a santidade sozinho. Coloque-se diante de Deus como você é e não como gostaria de ser.

2. Sem Deus, você não é ninguém! Quem o dirige nessa caminhada é Deus. Se você consegue exercer alguma virtude, não atribua a si mesmo o sucesso de seus empreendimentos espirituais. Procure fazer a vontade d’Ele, buscando-a pela oração e pela escuta de Sua palavra. Veja bem o que escreveu Teresinha: “O Bom Deus continua me dirigindo pelo mesmo caminho, não tenho outro desejo senão o de fazer sua vontade. Renda-se aos encantos de Deus. Jogue-se em seus braços como uma criança”. A Pequena Via é o caminho da entrega total, do abandono. Não resista. Melhor: desista de si mesmo e se refugie no único que pode trazer um sentido pleno à sua vida: O Deus de Misericórdia. Se você deseja ser santo, lembre-se que toda santidade vem do Senhor: “Sede santos como eu sou santo.”

3. Reconheça: Deus é rico em Misericórdia! A felicidade que você usufrui, a paz que invade seu coração, nada disso existe por acaso, nem por seus mérito. Deus é rico em misericórdia e só dessa misericórdia você pode viver. Adore o Deus de Amor e Misericórdia, como Teresinha. Sinta-se invadido por este manancial de amor, como nossa santinha: Parece-me que o amor me penetra e me envolve, parece-me que, a cada instante, esse Amor Misericordioso me renova, purifica minha alma… Abandone para sempre aquela ideia do Deus vingativo e cruel que lhe foi imposta na infância. Ele é doce e misericordioso, quer o seu bem. Às vezes parece frio e distante, mas na verdade Ele nunca o abandona. Ele não o poupa de sofrimentos, porque o sofrimento faz parte da vida. Em compensação, Sua Misericórdia faz de você uma pessoa forte e destemida. Jamais tenha medo de Deus. Faça como Teresinha: Não posso temer um Deus que se fez por mim tão pequeno… eu o amo! … pois ele só é amor e misericórdia!.. A Pequena Via o fará descobrir que o amor de Deus é absolutamente gratuito. Nosso Deus é um Deus que dá a vida, que se dá, que perdoa sempre!

4. Viva o momento presente! Pense os momentos preciosos que você está perdendo em sua vida por não viver o momento presente deixando a imaginação vaguear pelo futuro ou preso pela memória ao passado. O agora é um presente de Deus. Tome consciência do valor único e insubstituível desse minuto que você tem o privilégio de viver, esteja chorando ou sorrindo. Este momento é o único em que, na verdade, você pode amar a Deus e ao próximo. Teresa d’Ávila, a grande reformadora do Carmelo, dizia: Quem tem o momento presente tem Deus. Quem tem Deus tem Tudo. Teresinha soube viver a mística do instante e isso está muito presente em uma de suas poesias: Minha vida é só um instante, uma hora que passa. Minha vida é um só dia que se esquiva e foge. Bem o sabeis, meu Deus! Para vos amar na terra só tenho hoje. Por que se atormentar com a ideia do prolongamento de seus sofrimentos? Aprende a sofrer minuto por minuto: De instante em instante, pode-se aguentar muito, confidenciou Teresinha a Madre Inês.

5. Não perca o ânimo !Que sua confiança em Deus seja sem limites: A confiança faz milagres… É a confiança, e nada mais a não ser a confiança, que nos deve conduzir ao Amor. Os caminhantes da Pequena Via não desanimam quando a estrada está acidentada, tortuosa. Acha-se muito fraco e pecador? Não pare no meio do caminho. Levante sua cabeça e prossiga. Peça a Jesus para tomar posse de sua alma e fazê-lo forte. Teresinha nos garante que seu caminho é todo de confiança e de amor. Por isso ela não compreende que ainda existam pessoas que tenham medo de um amigo tão terno. Se está difícil viver o evangelho, saiba que ele existe para todos, não para uns poucos privilegiados. A santidade é para todos. Alegre-se em ser pequeno e fraco: Sou de tal natureza que o temor me faz recuar; com o amor não somente avanço, mas voo.

Está aí, brevemente, as grandes linhas da Pequena Via. Um projeto de vida simples e audacioso ao mesmo tempo.

Durante a concelebração Eucarística no Dia das Missões de 1997, quando proclamou Teresinha Doutora da Igreja, o Papa João Paulo II disse, a propósito da Pequena Via: ela é uma via ao alcance de todos… caminho da confiança e do abandono total de si mesmo à graça do Senhor. Não se trata de uma via a ser banalizada, como se fosse menos exigente. na realidade, ela é exigente, como o é sempre o Evangelho. Mas é uma via impregnada do sentido do abandono confiante à misericórdia divina, que torna suave até mesmo o mais rigoroso empenho espiritual.

Santa Teresinha, rogai por nós!