verdade vacina hpv

O que está por trás da VACINA CONTRA HPV

Por que querem vacinar nossas filhas?

Certa vez, num final de tarde estava caminhando na beira da praia com uma mulher missionária. Ela me falou algo que de vez em quando me recordo. Disse-me que: se quisermos saber o que Deus mais ama na sua criação; é só olharmos para aquilo que o mal mais ataca.

Santo Irineu dizia que a glória de Deus é o homem vivo. Existe nos dias de hoje um esforço para impedir que a glória de Deus se resplandeça, se manifeste através da vida de cada homem e de cada mulher.

Em nenhum tempo da história da humanidade o corpo do homem e da mulher foram tão atacados como nos dias de hoje, em especial na área da fertilidade. É só ver ao nosso redor o arsenal de contracepção: que vão desde o anticoncepcional até a laqueadura e vasectomia que são oferecidas muitas vezes sem custo nenhum.

Agora novamente o útero de nossas filhas está sendo alvo de vacinas um tanto quanto questionável. A partir do dia 10 de março deste ano, o Governo Federal tem a meta de vacinar contra o vírus do HPV, meninas na escola entre a idade de 11 a 13 anos. Acontece que este vírus é transmitido principalmente por via sexual. Então porque nossas filhas teriam que receber esta vacina? Existem mais de 100 tipos do vírus HPV, a vacina imuniza somente 4 tipos. Pelo que deveremos expor as meninas aos riscos desta vacina que tem prejudicado tantas mulheres e adolescentes em vários países? No Japão foi suspenso esta vacina na rede pública, devido ser relatados complicações graves por 2000 pessoas, que vai da infertilidade até a morte súbita. Os americanos chegaram a criar um site dedicado a histórias de vítimas e com diversos documentos que comprovariam os altos riscos desta vacina.1

Os países cristãos investem na educação de suas filhas orientando-as para a vivência da castidade. Não só investem como acreditam no potencial delas de fazerem escolhas acertadas no exercício da sexualidade. A castidade é a “vacina” 100% eficaz para proteção contra toda espécie de vírus que é transmitida por via sexual.

Deus nos deu inteligência e livre arbítrio para que possamos sondar os acontecimentos que estão ao nosso redor; e para defendermos aqueles que amamos quando estão em perigo.
Queridos pais, quando suas adolescentes retornarem a escola neste ano, será oferecido a elas a vacina do HPV. Investigue vocês mesmos todos os riscos desta vacina que não é obrigatória. Para ser vacinada a adolescente é necessária a autorização dos pais. É oferecida a opção para os pais de se oporem a esta vacina.

Que Deus nosso Pai abrigue as filhas de nossa nação, à sombra de suas asas, até que a tormenta passe; como diz o Salmo de hoje.

Cleonice M. Kamer
Consagrada da Comunidade Bom Pastor – SC

1. truthaboutgardasil.org

Saiba mais em:

http://noticiasprofamilia.blogspot.com.br/2009/11/pesquisadora-da-gardasil-admite-que.html

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/claudiacollucci/2014/01/1403702-os-senoes-da-vacina-contra-o-hpv.shtml

http://www.noticiasnaturais.com/2014/03/japao-retira-apoio-a-vacina-contra-hpv-devido-aos-efeitos-adversos-como-infertilidade-e-paralisia/

http://youtu.be/xWVQ04fAhfI

http://youtu.be/oTuN7DRlBKI

Resposta a  alguns questionamentos que nos fizeram:

  • Por que a Igreja não aprova o uso de anticoncepcionais?

http://cleofas.com.br/e-proibido-o-uso-de-anticoncepcionais/

https://padrepauloricardo.org/episodios/abortos-ocultos

http://www.bibliacatolica.com.br/blog/tag/pilula-anticoncepcional/#.UyXgmvldWTI

http://comunidadeoasis.com/category/blogdafamilia/contracepcao/

  • Referências de profissionais da saúde:

Associação Paranaense de Medicina de Família e Comunidade (APRMFC)

Núcleo de Telessaúde Técnico-Científico do Rio Grande do Sul – TelessaúdeRS

 

49 ideias sobre “O que está por trás da VACINA CONTRA HPV

  1. Lourdes

    Amei esta publicação!!! Divulguem no Facebook para compartilharmos com o maior nr de pessoas possível!!! Um grande abraço!! Deus abençoe vcs!!!

    Responder
    1. Laudicéa Corina de Pádua

      Todos devem ver essa matéria para ter o poder de tentar entender e optar pelo que é melhor para nossas filhas. Que Deus nos proteja e nos ilumine para sabermos agir corretamente.

      Responder
  2. SILVANA

    A escola Estadual Presidente Tancredo Neves em Contagem-MG me enviou a autorização para vacinar minha filha de 12 anos.
    Segui minha intuição de mãe, conversei com minha filha e decidimos nao autorizar a vacinação.
    Senti que seria como se estivesse liberando minha filha para iniciar a vida sexual.
    Hoje quando estava indo trabalhar, perguntei a mãe de uma colega o que ela achava da vacina.
    Ela disse que já havia pensado em pagar para a filha de 12 anos, que o valor de cada dose é R$600,00. São um total de 3 doses. Como a vacina vai ser liberada nas escolas ela não vai
    precisar pagar mais. Que é uma prevenção para o futuro.
    Fiquei confusa se eu tinha feito a escolha certa.
    Chequei no trabalho e fui google para ver a orientação da igreja católica.
    Consegui acessar este site maravilhoso , li a orientação dada sobre a vacina HPV e meu
    coração ficou em paz.

    Muito obrigada

    Silvana

    Responder
    1. Comunidade Oásis Autor do post

      Que maravilha saber do seu testemunho SILVANA. Que o Espírito Santo de Deus continue te ungindo na sua missão de Mãe. Fique ligada em nosso site que estamos sempre colocando post sobre a realidade familiar e os desafios deste tempo.

      Deus vos abençoe!

      Responder
    2. Kate Ellen

      Parabéns Silvana. Sua atitude como mãe é louvável. Não deixemos que a mídia e o interesse de um sistema de saúde falido influencie nossas vidas e decisões a respeito de nossos filhos, eles são presente de Deus para nós e é nossa a responsabilidade de zelar por seu bem estar.

      Responder
    3. Miriani

      Parabéns! Tenho 3 filhas que ainda não estão em idade escolar, mas como CATÓLICOS VERDADEIROS, temos que ficar atento que tudo que nos é “oferecido”.

      Responder
  3. gracitania Maria Fontenele

    obrigada, Amigas pos nos esclarecer sobre este assunto estava pensando em levar minha filha, mas… através de você Deus me abriu os olhos para eu ver o que estar por trás deste “CUIDADO” DO governo para com nossos filhos…

    Responder
  4. Ildamar Zoti

    Hoje no meu trabalho estava me questionando sobre esta vacina, muitas duvidas! Olha q bom que vcs postaram estas informações era o que eu queria saber! obrigado meu Deus ! Obrigado comunidade Oasis!

    Responder
  5. Jonian Teles

    Olá, eu sou mãe de uma menina de 3 anos e já me preocupo com o futuro dela, hoje sei q posso protege-la de todos os perigos, mas fico me perguntando será q vou está por perto quando realmente ela precisar? Eu sou católica e respeito todos os argumentos e testemunhos que já li, mas como não podemos proteger sempre nossos filhos, acredito que a vacina não quer dizer necessariamente iniciar uma vida sexual, mas proteger, sendo que muitas crianças e jovens são abusadas e podem ser infectadas por HPV e várias outras doenças sexualmente transmissíveis.
    Minha intenção não é contrariar os outros comentários e sim expressar minha opinião por mais que seja leiga no assunto.
    Obrigada.

    Responder
    1. Comunidade Oásis Autor do post

      Olá Jonian!
      Obrigado por expor sua opnião, vejo que és alguém que está em busca da verdade. Se você analisar o risco que a sua filha está correndo em fazer essa vacina, comparando com risco de contrair essa doença, vendo que você é uma mãe que se preocupa com sua filha e com certeza deve gastar tempo, a educando com valores morais e com fé, que a torna imune a esse doença. Pense, reze e deixe que a sua consciência mostre o que deves fazer.

      Veja os riscos da vacina:

      1- http://www.noticiasnaturais.com/2014/03/dossie-vacinacao-contra-hpv-conheca-o-perigo-que-ela-representa-e-tome-uma-decisao-informada/
      2- http://www.noticiasnaturais.com/2014/03/japao-retira-apoio-a-vacina-contra-hpv-devido-aos-efeitos-adversos-como-infertilidade-e-paralisia/
      3- http://www.aleteia.org/pt/saude/conteudo-agregado/vacinacao-transparente-5862242939568128

      Responder
  6. Carla

    ahahah Hipocrisia, isso e alienação.. Vamos acorda pra realidade? depois a filha aparece gravida em casa ou com alguma doença sexualmente transmissível não sabe o por que ne? passou a vida inteira falando o que não pode que e pecado em vez de orientar.

    Responder
    1. Comunidade Oásis Autor do post

      Olá Carla!
      Respeitamos o seu posicionamento, mas não é uma questão de Fé somente, é uma questão de saúde pública e de inteligência na análise dos resultados obtidos com essa vacina.
      É preciso sair da alienação…
      Abaixo links que mostram a realidade de resultados obtidos com essa vacina:
      http://www.noticiasnaturais.com/2014/03/dossie-vacinacao-contra-hpv-conheca-o-perigo-que-ela-representa-e-tome-uma-decisao-informada/
      http://www.noticiasnaturais.com/2014/03/japao-retira-apoio-a-vacina-contra-hpv-devido-aos-efeitos-adversos-como-infertilidade-e-paralisia/
      http://www.aleteia.org/pt/saude/conteudo-agregado/vacinacao-transparente-5862242939568128

      Responder
    2. Wal

      A orientação é só uma mesma, sair da promiscuidade, esse é o preço por sair dos planos de Deus. Pagamento pela falta de moral que o mundo se encontra. Mas se nossos jovens optassem por sexo só depois do casamento, muitas doenças e gravidez indesejada seriam evitados.

      Responder
  7. Lucia Maura

    A vacina não previne gravidez, nem quase doença nenhuma, e pode provocar outras doenças.
    Não é uma questão de fé. E é claro que a igreja deve ajudar a orientar os seus fieis.
    É das discussões sobre o assunto que as pessoas criam a opinião própria, não podemos ir simplesmente pela orientação dos políticos, que geralmente tem interesses econômicos.
    Essa reportagem abaixo é de um site confiável, e expõe um ponto de vista bastante esclarecedor.
    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/claudiacollucci/2014/01/1403702-os-senoes-da-vacina-contra-o-hpv.shtml

    Responder
    1. Alexandre

      Olhei o link e é bem embasado mesmo. Obrigado, pois eu fui alertado hoje por uma enfermeira a vacinar minha filha, mas eu ja estava questionando, pois ja não tomo a vacina contra gripe exatamente pelo risco de guillan-barret. Parece que na vacina contra HPV o risco é maior.

      Responder
  8. aline

    Eu sei que td que acontece neste mundo é para reduzir nossas vidas. Isso td ocorre pelo alto numero da populaçao. So que se as pessoas parassem pra pensar e ollha-se menos tv. Elas perceberiam estas e outras coisas que estao errado!. Que as pessoas nunca esqueçam que elas tem o livrio abitrio

    Responder
  9. Priscila

    Para mim isto é mais uma arma do governo para exterminação da humanidade como vem se falando por ai, estão tentando de todas as formas. Só Deus mesmo nas nossas vidas!!!

    Responder
  10. Maria Àurea Soares Alves

    Amei esta divulgação , mais a minha tristeza é que ela chegou tarde pra mim pois ano passado minha filha foi vacinada .

    Responder
  11. Marta

    Obrigada comunidade oásis por nos alertar. Estou compartilhando e divulgando a todos que posso!
    Pena que a igreja não fez este esclarecimento!Sou grata por ser família Oásis!

    Responder
  12. flavia

    Ola obr pela informação eu tenho 12anos e iria tomar essa va ina na proxima terça feira nao vo mais pois os que nos livra do mal e deus e nao uma vacina eu contarei as minhas amigas , obr por me alerta aous riscos da vacina obr

    Responder
  13. Morgana

    Muito bom saber disso, a pesar de que já havia me decidido. Tenho uma filha de 13 anos e já havia pesquisado vários sites sobre essa vacina, além do governo está levando uma vantagem ($$$$$$) em adquirir essas vacinas existe vários vídeos mostrando adolescentes que sofreram vários problemas depois dessa vacina. Então pode me taxar como abitolada, fanática, etc já ouvi de tudo, nem ligo, confio em Deus e sei que somente Ele e através da Eucaristia, nossa maior “vacina” contra todos os males deste mundo tão perverso. Deus abençoe a todos.

    Responder
  14. Maria Arruda Nascimento

    O Espírito Santo não nos deixa enganar, quando a minha filha de onze anos trouxe pra mim a abordagem que fizeram na escola, fui taxativa em falar que NÃO, em seguida sentei com a minha filha e expliquei pra ela que o que previne não é a vacina mas sim a castidade.Depois conversando com umas amigas sendo uma da área da saúde, me falou que eu deveria dar porque a vacina era confiável e muito segura, mas mesmo assim algo me dizia que havia algo errado,mandei um recado para um amigo consagrado de uma comunidade para saber o que ele pensava a respeito, foi então que ele me respondeu dizendo assim: tenho duas filhas nesta idade e como elas não tem vida sexual, não vejo necessidade de vacina-la foi então que decidi de fato não autorizar. Continuei incomodada com essa vacina, inclusive hoje me perguntava: e senti forte no meu coração, que essa vacina tem a finalidade de deixar nossas filhas estéreo,foi quando vi esta matéria e confirmou o que eu já suspeitava. obrigada pela informação vou repassa-la Deus abençoe.

    Responder
  15. Silvia Becker

    Parabéns pela ótima iniciativa em defender a vida como Deus a fez!
    Estão tentando prostituir nossas filhas de forma a convencer a sociedade a pensar que isto é natural e que o governo está fazendo o bem para as famílias, bem como esta liberação escancarada de preservativos nos centros de saúde, em vez de educar para a vida!
    Não são estes os planos de Deus pra nossas filhas, famílias.
    Compartilhem e nao deixem este grande engano ser colocado a força na mente das pessoas.
    Abs, Deus os abençoe!

    Responder
  16. Brígida

    Essa reportagem é um alerta! Entretanto, essa decisão terá que ficar sob a responsabilidade dos pais. Quando há lares cristãos, os pais terão discernimento do Espírito Santo para não permitir essa vacinação. Entretanto, a realidade é que nem todos têm Deus consigo, nem todos amam a Deus e valorizam a Sua palavra. A realidade. na maioria das escolas estaduais e municipais. é ver crianças de 11 e 12 anos com vida sexual ativa, a virgindade sendo considerada como antiquada e ultrapassada. Aos 18 anos, poucas meninas ainda são virgens. Então, como proceder? Falta divulgar as consequências desta vacina, pois como há uma intencionalidade financeira por detrás, e que não por poucos milhões, tudo concorre para ficar mais difícil.
    Trabalho em uma escola, acredito que a minha atitude nesta situação é conscientizar e falar das consequências. Cada uma terá que tomar a sua decisão.

    Responder
  17. Ana Paula

    Como disse a colega lá no começo….é tão mal informado…q realmente essas meninas dessa idade vão achar q estão imune , sendo q não é só o Hpv…tem várias doenças transmissíveis e piores….então tem que ter informação…pois conheço gente q nem sabe o q significa Hpv ….independente de religião o caso deve ser mto estudado…

    Responder
  18. Cleomenes Simões

    Livro da FEBRASGO atualizado sobre vacinas.
    Acabei de receber o livro da FEBRASGO (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) intitulado: “Manual de Orientação-Vacinação da Mulher”.
    Este livro é PATROCINADO pelo laboratório GSK, fabricante da vacina contra o HPV, denominada de Cervarix (vacina bivalente).
    A FEBRASGO é a entidade máxima representativa do Ginecologista e Obstetra no Brasil.
    Na página 27 do capítulo “Vacina Papilomavírus Humano (HPV)” está escrito:
    “Explicar que nas vacinas, NÃO estão incluídos todos os tipos de vírus associados ao câncer cervical. Desta forma, elas oferecem apenas PROTEÇÃO PARCIAL, daí a necessidade de manutenção do exame de Papanicolaou periodicamente, mesmo nas mulheres vacinadas”.
    Comentário: Será que os pais das adolescentes sabem disso? Portanto, vacina incompleta.
    Na página 28 está escrito: “ A vacina não é recomendada para mulheres acima de 26 anos de idade, no entanto, se o médico prescrever ela será dada”.
    Comentário: a maioria dos médicos não tem o conhecimento suficiente dessa vacina. O laboratório simplesmente se isenta de culpa por quaisquer danos.
    Na página 29 está escrito: NÃO SABEMOS POR QUANTO TEMPO AS MULHERES ESTÃO DE FATO PROTEGIDAS APÓS A REALIZAÇÃO DO ESQUEMA VACINAL COMPLETO (3 DOSES).
    Comentário: Será que os pais das adolescentes sabem disso?

    Responder
  19. Cleomenes Simões

    Por que a vacina contra o HPV é controvertida?

    1-Porque os efeitos colaterais registrados na Espanha, após a vacinação contra o HPV, foram tão grandes que um grupo de famílias espanholas criou, em 9 de Julho de 2009, a AAVP – La Asociación Española de Afectadas por la Vacuna del Papiloma Humano (www.aavp.es), cuja finalidade é informar e sensibilizar a sociedade sobre os riscos dessa vacina e oferecer informações às mulheres que apresentem, tenham apresentado ou possam apresentar efeitos adversos após a vacinação. Com o mesmo propósito foi criado internacionalmente o “Truth about Gardasil” (www.truthaboutgardasil.org).

    2-Porque recentemente o Ministério da Saúde do Japão emitiu um aviso de âmbito nacional que a vacinação contra o HPV não deve ser recomendada para meninas com idade entre 12 a 16 por causar várias reações adversas.

    3-Porque a idade ideal para início da vacinação é controversa, não existe um consenso.

    4-Porque a vacina não é eficaz para quem iniciou a vida sexual e, portanto, já teve contato com o vírus HPV.

    5-Porque a proteção cruzada (ampliada) da vacina tem efeito limitado, e por falta de evidência atual de efeito protetor da vacina em mulheres entre 24-45 anos.

    Responder
  20. Cleomenes Simões

    Estimada jornalista Cláudia Collucci,

    Li suas duas excelentes matérias sobre HPV, veiculadas recentemente no Jornal Folha de São Paulo.
    Concernente a essas matérias, uma leitora encaminhou ao Painel do Leitor da Folha, o seguinte questionamento:

    “Ao ler a reportagem sobre vacina de HPV (Saúde, ontem), eu pergunto: se a vacina for aplicada em uma menina ou menino de 9 anos de idade, qual a real duração da imunidade (proteção)? Havendo necessidade de uma quarta dose, quem assumirá o custo”?

    Reposta da jornalista Cláudia Collucci.

    Oi Maria Tereza, respondendo a sua pergunta, pesquisas que foram feitas até agora e que embasaram a aprovação da vacina no Brasil e nos EUA dizem que três doses são suficientes para imunizar a pessoa para sempre, se a imunização foi feita antes do início da vida sexual. Mas, é claro, não se pode dar 100% de garantia porque os primeiros estudos com humanos têm pouco mais de uma década.

    abs

    Cláudia

    Cláudia, eu sei que você é uma exímia jornalista, e ícone em descrição quando versa assuntos médicos, por isso, eu gostaria que você atinasse com toda a calma para o que eu vou lhe explicitar doravante.
    Com convicção, isso servirá para inteirá-la e atualizá-la nessa matéria pertinente – Vacina contra o HPV, como por exemplo, orientá-la que a vacina não imuniza para sempre (dura, no máximo, 9 anos).
    Eu escrevi o primeiro trabalho no Brasil e na Língua Portuguesa, abordando a Vacina Quadrivalente contra o HPV- Vacina Gardasil da Merck, o qual eu lhe encaminho (anexo). Pois bem, esse trabalho, pela sua excelência, foi inserido no site da Merck o qual permaneceu por mais de dois anos. Obviamente, solicitaram permissão para esse fito.
    Trabalho escrito sem conflito de interresse, no entanto, a Merck me prometeu um curso em Nova Zelândia, com tudo pago. Pagaram um curso internacional para mim em Buenos Aires e a estadia no hotel.
    Outrora, fazendo cursos no exterior, tive uma melhor visão dessas vacinas. Aqui chegando, escrevi o seguinte trabalho:

    Vacinas contra o HPV: Uma visão crítica (Foi traduzido para o espanhol).

    Também inédito no Brasil, criticando essas vacinas. Aliás foi o primeiro trabalho no Brasil fazendo uma real crítica das vacinas. Esse meu trabalho deu subsídios para que o conceituado laboratório Salomão & Zoppi suspendesse a vacinação contra o HPV, que até então era aplicada em suas unidades.

    Ressalto que todos os meus trabalhos foram publicados pela Revista Diagnóstico & Tratamento, da Associação Paulista de Medicina, revista de maior credibilidade científica de nosso país e Indexada na base LILACS.

    Ulteriormente, o grupo de pesquisadores da Vacina contra o HPV denominada Cervarix, do Laboratório Glaxo Smith Kline, encaminhou uma réplica concernente a esse meu trabalho para a revista e consequentemente eu encaminhei a tréplica:

    O que falta na luta contra o câncer de colo uterino?

    Leia com bastante atenção a minha tréplica , pois é de fácil leitura e está contida na epígrafe acima.

    Quando se realiza pesquisas clínicas de uma vacina desde a Fase I à Fase IV, é que quando os resultados não são os esperados, as Indústrias Farmacêuticas são tentadas a recuperarem, de alguma forma, o dinheiro que foi investido. E para isso elaboram um marketing onde apenas metade da história é contada, e que é obviamente a parte que lhes convêm, com esperança de que “se bem não faz, mal também poderá não fazer!” E a partir daí, com os artifícios da propaganda acabam envolvendo de uma forma quase hipnótica vários médicos e várias “autoridades” que atuam na área da Saúde, para lograrem êxito.

    A campanha publicitária tem insistido em utilizar uma linguagem hábil, às margens da ética, cujo objetivo tem sido oferecer uma vacina experimental “uma solução para o câncer”. Ela tem sido desenhada para criar medo aos pais e desta forma vacinar as suas filhas.

    Cláudia, essa vacina é a vacina do marketing viral, e trata-se de uma das maiores operações de marketing do medo da História da Medicina, desenvolvida por duas das maiores multinacionais farmacêuticas do mundo. É difícil entender que uma vacina que apresenta tantas incógnitas está se aplicando em meninas de tenra idade.

    Essa vacina foi atualmente vetada pelo FDA para maiores de 27 anos, em função dessas incógnitas, e na França (Diário Oficial de 22 de setembro) foi proibido a expressão: “vacina contra o câncer do colo do útero”, porque é uma falsa expressão, pois ela não imuniza contra o câncer. Trata-se, portanto, apenas de uma vacina preventiva (parcial) contra o câncer – previne apenas 70% dos casos a que ela se propõe.

    Sabe-se que os tipos virais 16 e 18 (os contidos na vacina) são os mais prevalentes no câncer do colo do útero, contudo, em alguns lugares da Europa e América do Norte, tem-se encontrado com maior prevalência alguns tipos de HPV diferentes do clássicos tipos (16 e 18) de HPV. Então, nestes casos a vacina seria inócua.

    Portanto, convém a prudência ante propostas imprudentes. Por isso, não devemos deixar sobrepujar o marketing enganoso dessa vacinas.

    Após a apreciação dessas matérias, faça uma reflexão e tire as suas ilações.

    Atenciosamente,

    Dr. Cleomenes Barros Simões. CRM:35742 SP.

    Cleomenes Barros Simões. Médico e especialista em Ginecologia e Obstetrícia (TEGO 048/1979).

    INFORMAÇÕES
    Autor dos livros “Toda a Ginecologia e Obstetrícia em Testes” (3ª edição) e “Patologia do Trato Genital Inferior”, ambos da Editora Roca, São Paulo. “OsPartos da Princesa Isabel, a Redentora – Uma contribuição para a História da Medicina no Brasil” da All Print Editora, São Paulo.
    1- Médico observador no Westfield Memorial Hospital (Westfield, NY-EUA).
    2- Médico observador no St. Michael’s Hospital (University of Toronto – Canadá).
    3- Ex-Chefe dos Médicos Residentes de Ginecologia e Obstetrícia do Instituto Fernandes Figueira da FIOCRUZ – Ministério da Saúde – Rio de Janeiro.

    Responder
  21. Cleomenes Simões

    O câncer do colo do útero é a doença com o maior potencial demonstrado de prevenção secundária. Esta doença é totalmente prevenível (através do Papanicolaou), fácil de diagnosticar, e curável a basto custo e com baixo risco. Tanto que o Inca (Instituto Nacional do Câncer) aponta o declínio nas taxas de incidência e de mortalidade do câncer do colo do útero nas principais capitais do Brasil, somente através do exame de Papanicolaou. Em Curitiba, no Paraná, teve as maiores quedas: 9,4% para casos novos e 7,9% para óbitos.
    São Paulo também apresentou declínio importante, de 7,4% para o número de casos e de 4,9% para óbitos.
    A notícia é saudada pelo instituto, pois o câncer de colo do útero é altamente prevenível, através do baratíssimo exame de Papanicolaou. Então, para que vacina contra o HPV, uma vacina caríssima e incompleta

    Responder
  22. Cleomenes Simões

    A idade ideal para o início da vacinação contra o HPV é controversa, não existe um consenso. A Merck recomenda para meninas a partir dos 9 anos de idade (de 9 a 26 anos), a Glaxo Smith Kline recomenda a partir dos 10 anos de idade (de 10 a 25 anos), a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), recomenda entre 11 e 12 anos de idade, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), recomenda a partir do 9 anos (de 9 a 26 anos), a Organização Mundial de Saúde (OMS), recomenda entre 9 e 13 anos, a American Cancer Society (ACS), recomenda entre 11 e 18 anos. O Ministério da Saúde (MS) do Brasi,l recomenda a vacinação dos 11 aos 13 anos. Quanta confusão!!!

    Responder
  23. Cleomenes Simões

    Leiam com bastante atenção, pois é atual:

    O médico israelense Yehuda Shoenfeld referiu na quarta-feira (19/03/2014) durante o Congresso da Liga Panamericana de Associações de Reumatologia realizado em Punta del Este, no Uruguai, que algumas vacinas estão sendo apontadas como fatores desencadeantes de uma nova doença autoimune denominada de síndrome ASIA, que provoca inflamações graves nas articulações e dores crônicas. Referiu que algumas substâncias presentes em vacinas, quando em contato com as células humanas, podem provocar uma reação anormal no sistema imunológico. A vacina tem substâncias como o Alumínio, que provocam essa reação. Fonte: Jornal o Estado de São Paulo (A30- Metrópole-Domingo, 24de março de 2014).
    Observa-se que ambas as vacinas contra o HPV, possuem em comum, o adjuvante(o que aumenta a eficácia e a potencialidade da vacina) Alumínio, de reconhecida toxicidade, e cujo mecanismo de ação não está completamente esclarecido. Gardasil contém 225 μg /dose e Cervarix 0,5 mg /dose. Mais de 1.000 e 2.000 vezes respectivamente o Limite Máximo Permitido recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) (0.2 μg /ml).
    Por isso, sou um médico misoneísta (aquele que tem medo do novo, do desconhecido), e esta vacina contra o HPV, é uma vacina neófita (noviça), e por isso, preferimos esperar por mais estudos antes de indicar. Na aviação se diz que para o pouso, um pouco mais de pista é sempre bom. Na medicina, um pouco mais de tempo, também. É preciso refletir antes de dar qualquer vacina (ou remédio) recém- lançada para nossos filhos.

    Responder
  24. Cleomenes Simões

    A vacina contra o HPV é uma vacina incompleta por vários fatores:

    Falta de eficácia diante de outros genótipos (tipos) de HPV, dando ensejo para que a paciente possa entrar em contato com outros tipos de HPV e se infectar. Lembro que existem 20 tipos de HPV que causam o câncer do colo do útero.
    1- Pela possibilidade de falha na resposta imunológica (defesa) da paciente vacinada.
    3- Pelo fato da vacina ter prazo limitado de proteção, ou seja, não dura mais do que 10 anos. A DURAÇÃO DA VACINA NÃO É PARA TODA A VIDA COMO PENSA O INCAUTO.
    Por esses aspectos, não podemos prescindir do rastreamento (prevenção) do câncer do colo do útero através exame de Papanicolaou.
    Resumindo: que vacina é essa, que é destinada para prevenir o câncer do colo do útero, todavia, a paciente é obrigada a fazer o exame de prevenção do câncer do colo do útero, ou seja, o Papanicolaou

    Responder
  25. Cleomenes Simões

    Atualizando sobre a vacina contra o HPV
    Estratégia Experimental do Ministério da Saúde (MS)
    A vacina Gardasil é a vacina escolhida pelo MS do Brasil para “prevenir” contra o câncer do colo do útero, também denominado de câncer cervical, do inglês cervical cancer (cancer of the cervix). O esquema de três doses em 5 anos (0- 6 e 60 meses) de aplicação da vacina adotado pelo MS, foi denominado de “esquema estendido” Este esquema de vacinação adotado para as jovens no Brasil ESTÁ SENDO TESTADO na Columbia Britânica (província do Canadá), em Québec (Canadá), México, Colômbia e Suíça. Trata-se de um esquema experimental, pois não há nenhum estudo completo e controlado das duas doses de vacina contra o HPV. Esse esquema contraria totalmente o esquema clássico ou habitual de três doses em 180 dias (0-2 e 6 meses) como é preconizado pelos pesquisadores da vacina, e que consta em bula do produto. Portanto, estão fazendo experiência com as nossas meninas.

    Responder
  26. Cleomenes Simões

    Por que a vacina contra o HPV é imprecisa ou incompleta?
    Porque pode dar uma falsa sensação de proteção, isto é, ela não cobre 30% dos casos de câncer e 10% das verrugas genitais. Você pode tomar a vacina, e assim mesmo ter o câncer do colo do útero, ou seja, não é 100% efetiva.
    Essa falsa proteção, pode levar a uma diminuição da prevenção do câncer do colo do útero através do exame de Papanicolaou e do uso da camisinha. Isso pode aumentar as gravidezes não desejadas e as DST. Além disso, desconhecemos seus efeitos a longo prazo, e a eficácia e a segurança da vacina não têm sido estudadas em jovens menores de 15 anos de idade, além de não sabermos quanto tempo dura a vacina.

    Responder
  27. Cleomenes Simões

    Por que a vacina contra o HPV é uma vacina experimental?
    1-Porque primeiramente os laboratórios estabeleceram: são necessárias apenas 3 doses da vacina via intramuscular(IM) com esquema de 0, 1 e 6 meses (0-30 e 180 dias) para a vacina Cervarix, e 0, 2 e 6 meses (0-60-180 dias) via IM para a vacina Gardasil.

    2-No Brasil a partir de 2014, a vacina será administrada em 3 doses: 0, 6 e a 3ª dose 5 anos(60 meses)após a primeira.

    3-Em novembro de 2013 durante o Congresso EUROGIN realizada em Florença (Itália), ficou estabelecido: é suficiente apenas 2 doses da vacina, e este esquema está aprovado em 9 países (Guatemala, Honduras, El Salvador, Haiti, Suriname, Chile, Guiana, Nigéria, e Gana).

    4-Na Costa Rica está se aplicando apenas (01) uma dose da vacina, com a mesma “eficácia” das 3
    doses recomendadas.

    Esses resultados questionam as recomendações atuais segundo as quais a vacina contra o HPV requer 3 doses para gerar uma resposta imunológica de longa duração.

    Qual é o esquema de dose que a menina deverá tomar?
    Qual o esquema correto?
    Por que eu tenho que pagar por 3 doses, ou paguei por 3 doses, por uma vacina caríssima se apenas uma dose é suficiente?
    Por que na clínica particular a adolescente que paga a vacina fica “imunizada” em 6 meses, enquanto no SUS as “pobres” ficam “imunizadas” em 60 meses?

    Responder
  28. Cleomenes Simões

    ATUALIZANDO SOBRE CÂNCER E A VACINA CONTRA O HPV.

    Câncer é o mesmo que carcinoma (câncer significa caranguejo em latim e carcinoma significa caranguejo em grego). Por que o câncer é simbolizado pelo caranguejo? Porque as células doentes se infiltram no organismo como se fossem as patas de um caranguejo.

    Na realidade, o HPV (do inglês human papillomavirus), ou vírus do papiloma humano, é um agente partícipe necessário na gênese (origem) do câncer do colo do útero, porém insuficiente. Necessita de cofatores (cocancerígenos) para esse desiderato(objetivo). Aqui há uma contradição conceitual. Diz-se que o HPV é “a causa necessária, porém não suficiente” do câncer do colo do útero. Esta afirmação é capciosa (enganosa), porque alberga (acolhe) uma contradição evidente: uma causa, agora, se “não é suficiente”, não é causa. Além do mais, o HPV não está presente em 100% dos casos de câncer do colo do útero.
    Deveríamos afirmar com fundamento científico, que o HPV é uma condição, um fator ou cofator, e não a causa para o câncer do colo do útero. Também não se explica a ausência do vírus, isto é, do HPV, em adenocarcinomas (câncer que fica no canal do colo do útero) e em outras variedades de cânceres do colo do útero.

    Fonte: Liebrich C, e cols. Primary cervical cancer truly negative for high-risk human papillomavirus is a rare but distinct entity that can affect virgins and young adolescents. Eur J Gynaecol Oncol 2009; 30 (1): 45-48.

    Responder
  29. Cleomenes Simões

    Vocês sabiam?
    Que o Prêmio Nobel de Medicina outorgado (concedido) em 2008 ao virologista germânico (alemão) Harald Zur Hausen, por correlacionar o vírus HPV ao câncer do colo do útero, está sob suspeita.
    Segundo o jornal The Times, de Londres, a integridade do júri que concedeu o Prêmio Nobel tem ligações com o laboratório britânico-sueco denominado AstraZeneca, que beneficiou indiretamente, pela premiação do alemão Harald Zur Hausen.

    O Sr. Bertil Fredholm, presidente do comitê que avalia os candidatos ao Nobel, trabalhou como assessor do AstraZeneca em 2006, e o Sr. Bo Angelim, que é membro do comitê que vota no ganhador do Nobel, faz parte do conselho de direção desse laboratório.

    A empresa MedImmune que pertence a AstraZeneca, patenteou a técnica para fabricar as primeiras vacinas contra o HPV. A Merck e a Glaxo, pagam a MedImmune, os correspondentes direitos de patente. O Prêmio Nobel pode ser cassado.

    Fontes:
    1-Charter D. AstraZeneca row as corruption claims engulf Nobel prize. Harald Zur Hausen`s Nobel Price Scandal: did Drug Company Exert Undue Influence? London: The Times, December 19, 2008.
    2- MPO. El Nobel de Medicina por el papiloma, bajo suspecha. Dos miembros del jurado colaboran con la empresa AstraZeneca, que pose ela patente de la vacuna. Barcelona: El País, edición impresa, diciembre 20 de 2008.

    Responder
  30. Cleomenes Simões

    O Censo Demográfico do IBGE 2010 revelou que no Brasil tem mais de 11 milhões de pessoas, o equivalente à população da Grécia, morando em favelas e palafitas. No entanto, o Governo Federal gastou 1.1 bilhão de reais para a compra de 42 milhões de doses da vacina contra o HPV, para aplicar em meninas dos 11 aos 13 anos de idade. Trata-se de uma vacina Experimental, Imprecisa, Controvertida, e com o mais alto conflito de interesse comercial da humanidade.

    Responder
  31. Cleomenes Simões

    VACINA EXPERIMENTAL
    Deveríamos aguardar e utilizar essas vacinas, no mínimo daqui a uns dez anos, pois não há razões científicas que justifiquem a pressa por vacinar. Esse tempo serviria para consolidar outros estudos em curso sobre essas vacinas como, por exemplo:

    1- A Merck está testando (experimentando) uma nova vacina contra o HPV denominada de V503 para proteger contra 9 tipos de HPV (nonavalente). A vacina atual (Gardasil) contém apenas quatro tipos de HPV(quadrivalente).

    2- Estão testando uma nova vacina POR VIA ORAL com a proteína L2 da cápsula do HPV (a vacina atual contém a proteína L1).

    3- O estudo que está sendo realizado na Finlândia de fase III de adolescentes vacinadas que serão acompanhadas por mais de 10 anos para avaliação da eficácia e da duração da vacina (farmacovigilância).

    4- Estão começando a testar a vacina contra o HPV no Brasil, em pacientes imunodepremidos ou imunossuprimidos (que não conseguem se proteger contra infecções como, por exemplo HIV+, transplantados e pessoa que faz uso crônico de Corticoide).

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>